Um “desconfortável” ícone do design, por Jaci Coningham


Boa noite a todos, segue otimo post retirado do chocoladesign

Um “desconfortável” ícone do design

Jaci Coningham, 23/03/2011, Design de Produto

Normalmente, quando pensamos em ícones do design as imagens que vêm à mente são de objetos estética e funcionalmente impecáveis, como as criações de Dieter Rams para a Braun, a chaise longue de Le Corbusier ou até mesmo o ventilador Spirit de Guto Indio da Costa, para citar um exemplo mais recente.

Cadeira Reb & Blue

Mas, de vez em quando, um objeto que não é tão impecável acaba se tornando um ícone também devido a outros atributos. Um desses objetos é a cadeira Red & Blue de Gerrit Rietveld.

Vou responder logo no começo o por quê dessa cadeira não ser impecável: Simplesmente porque ela é incrivelmente desconfortável! Onde já se viu uma cadeira onde não se pode sentar direito por mais de 5 minutos?! O próprio Rietveld precisava apelar para almofadas! Se alguém aqui inventasse de fazer um negócio desses com certeza estaria no olho da rua! Oras…

Porém, o grande barato é todo o conceito que está por trás…

Lá no passado, em 1917, surgiu um movimento artístico, conhecido como De Stijl ou Neoplasticismo, lá na Holanda. Foi criado por Theon Van Doesburg, nomeado de acordo com a revista fundada por ele e Piet Mondrian. Oficialmente, o movimento deixou de existir em 1928, quando a revista interrompeu suas publicações. Van Doesburg era o único que encarava o movimento  como uma vanguarda, com um conjunto de programas, manifestos, polêmicas, alianças e batalhas.

Abaixo um trecho que define o movimento, retirado do livro Arte Moderna do Giulio Carlo Argan (leiam-no!):

A finalidade de De Stijl é investigar se é possível fazer arte, isto é, desenvolver uma atividade criativa, numa condição de imunidade histórica absoluta. O que isso significa? Significa eliminar todas as “formas históricas” como se procedessem de um ambiente impuro, sob a suspeita de trazerem os germes da infecção nacionalista.

O resultado, é uma viagem como essa de Van Doesburg:

vandoesburg Um desconfortável ícone do design

Ou, talvez uma um pouco mais familiar de Mondrian:

mondrian Um desconfortável ícone do design

Na poética neoplástica, o puro ato construtivo é estético: unir uma vertical e uma horizontal ou duas cores elementares já é construção.

Esse é o princípio adotado por Mondrian.

Agora que vocês estão situados no movimento artístico da época, vamos à cadeira (ou poltrona, como descreve Argan):

cadeirarb Um desconfortável ícone do design

Ao desenhar uma poltrona em 1917, o primeiro ano de De Stijl, Rietveld empreende um estudo sobre os atos primários e essenciais da construção.

Copiei a passagem acima, ainda do livro do Argan, pois a considerei simplesmente perfeita para resumir esse ícone!
O engraçado é que dificilmente alguém ousa questionar o fator conforto da cadeira, mas como eu tive a oportunidade de sentar em uma, terei essa ousadia

Repare nos elementos que compõem a cadeira: são pontos (representados pela pintura amarela), linhas e planos.
Nesse momento, é bem possível que o nome Kandinsky tenha surgido na sua cabeça, mas seu famoso livro, Ponto e linha sobre plano (também de leitura obrigatória!), foi publicado apenas alguns anos depois.

Repare também que o tamanho das ripas usadas segue o tamanho padrão comercializado, o que deveria facilitar a produção do objeto.

Já temos 3 elementos legais para compor a elaboração do objeto: arte, desenho e padronização. Mas tem mais!

Todas as peças são unidas da forma mais simples possível, ou seja, juntas e encaixes.
Pense o que isso significa espacialmente quando o assunto é transporte.

Apenas os ângulos dos planos não são retos, pois eles surgem do estudo da forma de uma pessoa sentada comodamente, ou seja, diga olá para a ergonomia. Outra coisa legal que aparece graças à ergonomia é a distribuição dos pés em relação aos braços, formando uma alavanca perfeita para quem for se levantar, afinal, repare que o assento, além de inclinado, é fundo.
De fato, ao sentar na cadeira é possível perceber que os ângulos em si são confortáveis, mas o que mata mesmo é o fato do plano ser reto, sem nenhuma curvatura para acompanhar a distribuição de massa do corpo. É aqui que esse objeto “peca”, porém, até para isso existe uma razão.

Além de unir arte, desenho, padronização, marcenaria, transporte e ergonomia, essa cadeira é um objeto de crítica ao Art Nouveau, “aquele” movimento cheio de formas orgânicas, representado aqui pela cadeira de balanço de Thonet:

thonet Um desconfortável ícone do design

E não pense que a referência a Thonet foi uma escolha por acaso: vale lembrar que a cadeira nº 14 já tinha chegado à marca de 50 milhões de unidades vendidas em 1930!!! Pense bem no que esse número representa para a época!

thonet14 Um desconfortável ícone do design

Então, é claro que o “desconforto” é totalmente perdoável em se tratando de um objeto tão complexo como a cadeira Red & Blue

Se você quiser adquirir os livros citados, aqui vão os links no Buscapé:
Arte Moderna, Giulio Carlo Argan
Ponto e Linha Sobre Plano, Wassily Kandinsky

Obrigado

Henrique Praxedes

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s